Central de Cinema

‘O Filme da Minha Vida’ beira o sublime ao dialogar com o próprio cinema

Em seu terceiro longa-metragem, 'O Filme da Minha Vida', Selton Mello se afirma como realizador sensível e ótimo contador de histórias. Seu filme enche os olhos e comove.

O Filme da Minha Vida

Em seu terceiro longa-metragem, 'O Filme da Minha Vida', Selton Mello se afirma como realizador sensível e ótimo contador de histórias. Seu filme enche os olhos e comove.

Década de 1960. Uma pequena cidade de colonização italiana na Serra Gaúcha. Nesse espaço-tempo, algo perdido na memória, acontece a trama de O Filme da Minha Vida, terceiro longa-metragem do também ator Selton Mello, que, a cada novo trabalho, vem se firmando com um realizador dos mais sensíveis, em evidente busca de uma marca autoral, sem querer abrir mão da comunicação com o público.

Selton, também autor do roteiro, toma como base o romance Um Pai de Cinema, do escritor chileno Antonio Skármeta, autor de O Carteiro e o Poeta. Como em seus dois longas anteriores, Feliz Natal (2008) e O Palhaço (2011), ele fala de família, e da relação com a figura paterna, tema que, em menor ou maior proporção, tem se mostrado recorrente na breve, mas já marcante obra do ator/diretor.

Em O Filme da Minha Vida, esse vínculo é a mola propulsora do enredo, que tem como protagonista Tony Terranova (o ótimo Johnny Massaro), um jovem professor que, ao voltar à cidade natal após estudos na cidade grande, vê o pai, Nicolas (Vincent Cassel), partir no mesmo trem em que o garoto chegou. Teria retornado à França, seu país de origem? Talvez.

Narrado com lirismo, O Filme da Minha Vida poderia, tranquilamente, ter resultado em um melodrama, mas Selton não cai nessa armadilha.

O abrupto e inexplicado desaparecimento deixa sobre Tony profundas marcas. Às vésperas de iniciar sua vida adulta, ele se vê órfão de seu principal modelo de masculinidade, o que de certa forma o coloca em uma espécie de limbo entre a adolescência e a maturidade. Ele terá de encontrar, sozinho, esse caminho, assombrado por um profundo sentimento de abandono, que dá o tom ao belo, poético e melancólico filme de Selton.

O interessante em Tony é que ele, apesar de frágil, não é absolutamente fraco. Essa ambiguidade torna o personagem fascinante. Trôpego, hesitante, mas também determinado e leal, ele busca a si mesmo. Nesse processo, é quase inevitável que também encontre, de alguma forma, o pai perdido, em um processo com tessituras psicanalíticas. Vale lembrar aqui que Selton não apenas produziu, mas também dirigiu a versão brasileira do seriado Sessão de Terapia.

Se em O Palhaço, grande sucesso de público e crítica, Selton encarou o desafio de ser, ao mesmo tempo, diretor e protagonista, desta feita ele escolheu para si um papel coadjuvante. Ele vive Paco, um criador de porcos, amigo de Nicolas, algo próximo de um substituto do pai ausente. Ele ouve, mas também aconselha Tony, nem sempre de maneira sensata.

Narrado com lirismo, O Filme da Minha Vida poderia, tranquilamente, ter resultado em um melodrama, mas Selton não cai nessa armadilha. Ele costura seu filme com cores mais sóbrias, introspectivas, sem pressa ou exagero. Como o livro que deu a origem à história, ele usa o próprio cinema, numa brincadeira metalinguística, como chave.

A fotografia de Walter Carvalho, a direção de arte de Claudio Amaral Peixoto, os figurinos de Kika Lopes e a trilha sonora de Plínio Profeta estão afinados à perfeição e fazem do filme uma experiência estética delicada, tocante. Não há como sair da sessão indiferente ao que se vê na tela.

Massaro brilha ao conseguir viver as muitas transformações pelas quais Tony passa. Seu amadurecimento é sutil, verossímil, e percorre um trajeto corajoso, que vai da dor da perda ao perdão, passando pela compreensão de que ninguém é perfeito e a vida, mesmo quando machuca, é bela. E Selton acerta em cheio ao apostar na delicadeza em tempos tão brutos como os que vivemos hoje no Brasil.

Assista ao trailer de ‘O Filme da Minha Vida’

link para a página do facebook do portal de jornalismo cultural a escotilha

Tags
Mostre mais

Paulo Camargo

Paulo Camargo é jornalista formado pela Universidade Federal do Paraná - UFPR (1990), mestre em Teoria e Estética do Audiovisual (Universidade de Miami, 2002), onde foi bolsista da Comissão Fulbright, e professor dos cursos de Jornalismo da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e do Centro Universitário UniBrasil. Também leciona em cursos de pós-graduação da PUCPR e da Universidade Tuiuti do Paraná, onde é doutorando no programa de Comunicação e Linguagens. Foi editor de Cultura, crítico de cinema e repórter especial do jornal Gazeta do Povo (PR), diário no qual atuou entre 1996 e 2014. É integrante da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine). Trabalhou nos jornais O Estado do Paraná e Folha de S. Paulo.

Artigos Relacionados

1 thought on “‘O Filme da Minha Vida’ beira o sublime ao dialogar com o próprio cinema”

  1. Entendo que não seja fácil realizar um longa metragem. Cinema abraça domínio técnico, medida de tempo e precisa de potência, como toda Arte. E me constrange dizer que não gostei d’O Filme da Minha Vida, do Selton Mello.

    Curiosamente, de quem eu tinha mais receio [a fotografia assinada pela Walter Carvalho, pois no trailer me dava indicações de que seria excessivamente linda, contudo, isolada em sua beleza], foi nela onde encontrei um ponto de unidade. Também na Direção de Arte e Figurino.

    Muitos diálogos no filme me parecem artificiais, construídos para “causar” um efeito de “- Oh, que bacana!”, “Nossa, que raciocínio!” [referentes ao cinema, aos porcos, ao bordel…]. Paco deveria permanecer mudo, inclusive. O mesmo para Rolando Boldrin. Deixariam um ar de mistério – acredito – mais instigante ao filme. Até a música me passava a sensação falsa de “agora entra uma música bacana para a cena ficar bem bacana!”.

    O Filme da Minha Vida poderia – nas minhas limitações de compreensão do Cinema – ter sido menos palavroso e como menos trilha sonora.

    Mas, é isso. Acompanho teus escritos, Paulo, e hoje não consegui deixar de colocar algumas palavras.
    PS: E precisava o Antonio Skármeta aparecer com aquele papo de imortalidade no bordel? Que bobagem!

Deixe uma resposta

Close
%d blogueiros gostam disto: