Estreia recordista de bilheteria no México

Estreia recordista de bilheteria no México

COMPARTILHE
Não Aceitamos Devoluções
Foto: Divulgação.

Se 18 milhões de espectadores pagaram para assistir à comédia dramática Não Aceitamos Devoluções no México, descartá-la como um filme qualquer é, no mínimo, temerário. Vale a pena investigar o porquê de tamanho sucesso.

Escrito, dirigido e interpretado por Eugenio Derbez, um dos maiores astros do México, a produção não tem o menor pudor de ser escancaradamente popular em um país com forte tradição desse tipo de cinema, desde os tempos de Cantinflas (1911-1993). Isso já explica, em parte, o seu êxito.

Derbez vive sem compromisso com o realismo o papel de Valentin, um solteirão playboy que vive la vida loca em Acapulco, onde troca de namoradas como quem muda de camisas. Até o dia em que uma delas, a norte-americana Julie (Jessica Lindsey), bate a sua porta e lhe entrega um bebê, no melhor estilo “toma que o filho é teu”.

Derbez vive sem compromisso com o realismo o papel de Valentin, um solteirão playboy que vive la vida loca em Acapulco.

A mãe desaparece e volta para a Califórnia, deixando com ele a criança, uma menina chamada Maggie. Sem saber o que fazer, resolve ir atrás de Julie nos Estados Unidos, onde acaba se estabelecendo, meio ao acaso, como dublê de cinema e tevê.

Parecido com Três Solteirões e Um Bebê (1987), o filme também tem fortes ecos de A Vida É Bela: assim como o personagem de Roberto Benigni no filme vencedor do Oscar, Valentin cria um mundo de fantasia para a filha, no qual sua mãe não a abandonou, mas sim partiu para uma vida de aventuras. Até o dia em que Julie reaparece, colocando a frágil felicidade de pai e filha em risco.

Assumidamente melodramático, e ingênuo em sua construção, sem qualquer pacto com a verossimilhança, Não Aceitamos Devoluções é um filme de forte comunicação com o público, e pode irritar bastante espíritos mais exigentes, ou empedernidos. Porém, a inegável química entre Eugenio Derbez e da atriz mirim Loreto Peralta, que vive Maggie na fase mais crescida, fazem enorme diferença, e o roteiro, apesar de apelativo, tem lá suas surpresas e encantos.

REVIEW GERAL
Não Aceitamos Devoluções
FONTEGazeta do Povo
COMPARTILHE
Artigo anteriorA Copa do Mundo das garotas
Próximo artigoSem Evidências é antithriller
Paulo Camargo é jornalista formado pela Universidade Federal do Paraná - UFPR (1990), mestre em Teoria e Estética do Audiovisual (Universidade de Miami, 2002), onde foi bolsista da Comissão Fulbright, e professor dos cursos de Jornalismo da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e do Centro Universitário UniBrasil. Também leciona em cursos de pós-graduação da PUCPR e da Universidade Tuiuti do Paraná, onde é doutorando no programa de Comunicação e Linguagens. Foi editor de Cultura, crítico de cinema e repórter especial do jornal Gazeta do Povo (PR), diário no qual atuou entre 1996 e 2014. É integrante da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine). Trabalhou nos jornais O Estado do Paraná e Folha de S. Paulo.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA