COMPARTILHE
Meu Malvado Favorito 3
Gru enfrenta Balthazar Bratt, ex-astro mirim recalcado. Foto: Reprodução.

Michael Jackson, Madonna, A-ha, Van Halen e Nena são alguns dos ícones pop dos anos 80 que embalam as maldades do vilão da animação Meu Malvado Favorito 3, Balthazar Bratt. Astro-mirim de um seriado infantil, ele viu seu mundo cair quando cresceu mais do que deveria, e foi descartado sem dó nem piedade e relegado ao esquecimento. O trauma o fez transformar-se em um adulto ressentido, que desenvolve uma estratégia para destruir Hollywood em um ato de vingança espetacular. Com gigantescas bolotas de chiclete cor-de-rosa.

Envergando um figurino inspirado nos trajes do Rei do Pop, de quem também empresta coreografias e linguagem corporal (a sequência inicial é ao som de “Bad”), Bratt é dublado na versão brasileira por Evandro Mesquita (da banda Blitz) e em inglês por Trey Parker (cocriador da série South Park). De longe, é a melhor coisa desse irregular terceiro episódio da franquia inaugurada em 2010, com o muito mais divertido Meu Malvado Favorito.

Gru, agora um desajeitado agente secreto, conta, para enfrentar Bratt, como um aliado inesperado: seu irmão gêmeo Dru.

O primeiro filme tinha como trunfo o protagonista Gru, um sujeito mauzão, calvo e feioso, que, à época de seu lançamento fez muito sucesso, justamente por sua capacidade de arquitetar contravenções, destilando um senso de humor afiadíssimo e meio podre. Ele caiu nas graças do público. Claro que, seguindo a cartilha hollywoodiana, eventualmente o bem vence o mal e há uma conversão do personagem, dublado por Steve Carell (O Virgem de 40 Anos) no original e por Leandro Hassum (Até Que a Sorte Nos Separe). Seu coração empedernido é amolecido por três adoráveis meninas órfãs.

Gru e seus pequenos asseclas, os minions, também irresistíveis, fizerem muito sucesso e renderam, em 2013, uma super bem-sucedida sequência, indicada ao Oscar em duas categorias, algo que o primeiro filme não tinha conseguido: melhor longa-metragem de animação e melhor canção, para o mega hit “Happy”, de Pharrell Williams, que também escreveu uma música para o novo longa. Um terceiro filme, portanto, era inevitável.

É uma pena que, desta vez, a fórmula do original esteja tão diluída, e até mesmo os minions tenham perdido um pouco a graça. Gru, agora um desajeitado agente secreto e pai de família, conta, para enfrentar Bratt, com um aliado inesperado: seu irmão gêmeo Dru, milionário de vasta cabeleira loira (?!) e bastante afetado cuja existência o protagonista desconhecia.

A premissa é até promissora, mas o roteiro frouxo de Meu Malvado Favorito 3 deixa muito a desejar, com piadas sem graça e situações muito mal construídas, algumas até constrangedoras. Salva-se Bratt, que com seu charme oitentista talvez cative apenas os pais, já que os pequenos não vão entender as referências.

Assista ao trailer de ‘Meu Malvado Favorito 3’

link para a página do facebook do portal de jornalismo cultural a escotilha

REVIEW GERAL
Meu Malvado Favorito 3
COMPARTILHE
Artigo anteriorVacina da gripe
Próximo artigoO flâneur e a poesia cotidiana de todo ator
Paulo Camargo é jornalista formado pela Universidade Federal do Paraná - UFPR (1990), mestre em Teoria e Estética do Audiovisual (Universidade de Miami, 2002), onde foi bolsista da Comissão Fulbright, e professor dos cursos de Jornalismo da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e do Centro Universitário UniBrasil. Também leciona em cursos de pós-graduação da PUCPR e da Universidade Tuiuti do Paraná, onde é doutorando no programa de Comunicação e Linguagens. Foi editor de Cultura, crítico de cinema e repórter especial do jornal Gazeta do Povo (PR), diário no qual atuou entre 1996 e 2014. É integrante da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine). Trabalhou nos jornais O Estado do Paraná e Folha de S. Paulo.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA