Olhar em Série

‘Cara Gente Branca’ escancara o racismo institucional

'Cara Gente Branca', série da Netflix, grita representatividade e revela uma sociedade mais racista do que nunca.

O racismo institucional — sistema de desigualdade racial que pode ocorrer em instituições como empresas e universidades — ainda é um assunto velado, até mais do que o puro e simples preconceito. Em um país como o Brasil, um dos últimos a abolir a escravatura (há apenas 129 anos), sistemas inclusivos ainda são questionados por boa parte da população, que insiste em ver na meritocracia a única forma justa de vencer na vida. Ignora-se todo um conceito histórico e ressaltam-se casos isolados para tapar os olhos de algo que, infelizmente, ainda é tão latente na nossa sociedade.

Se no Brasil o silêncio predomina quando falamos em racismo, nos EUA as discussões andam cada vez mais inflamadas, ultimamente ampliadas pelo movimento internacional Black Lives Matter, focando na violência policial e judicial direcionada aos negros. Por tudo isso, a nova série da Netflix, Cara Gente Branca (Dear White People), aponta de forma direta, irônica e dura o que é viver num mundo em que a cor da pele é determinante em inúmeras situações da vida.

Criada por Justin Simien e baseada em seu filme homônimo, Cara Gente Branca deixa de lado o tom didático, ainda que exemplifique diversas situações e mostra a realidade de negros dentro de uma universidade de “elite” que se diz igualitária, mas que segrega nos pequenos detalhes. Tudo isso é mostrado com uma boa dose de humor, mesmo quando o discurso é um tiro certeiro. Ao mesmo tempo, quando a série foca no drama, faz isso de maneira exemplar. Afinal, não há graça no preconceito. Cada personagem tem seu protagonismo ao longo dos dez episódios e a série vai mostrando o envolvimento de cada um deles dentro daquele espaço, permitindo que os roteiristas incluam diversas situações, com diferentes níveis de problematização.

A série não tem a menor preocupação em educar os brancos, mas mostrar e analisar as consequências.

Se no início temos Samantha White (Logan Browning) empoderada e líder do movimento, mais para frente também conhecemos Coco Conners (Antoinette Robertson), uma garota que sofre racismo desde criança, mas que ao invés de gritar, prefere se adaptar ao mundo branco e lutar de outra forma. Ao focar em personagens diferentes e com diversos conflitos e polarizações (Sam sofre uma resistência do movimento por ter a pele um pouco mais clara, por exemplo), a série consegue dar um respiro na história ao não apresentar personagens negros unidimensionais, que simplesmente sofrem nas mãos do racismo.

Blackface na série Cara Gente Branca
Blackface, prática abominável em que pessoas pintam o rosto para representar negros, é o ponto de partida para as discussões de ‘Cara Gente Branca’. Foto: Divulgação.

Inteligentemente, Cara Gente Branca também não vilaniza seus personagens brancos. Eles estão lá, são até engraçados e até dizem uma ou outra coisa coerente, mas esta história simplesmente não é deles. Outro grande acerto é mostrar a estereotipização dos brancos e dos próprios negros perante outros grupos, como os asiáticos e o movimento LGBT, ou abordar possíveis exageros da militância (“Game of Thrones, aquela série com dragões e nenhum branco?”, diz um personagem). A série também não tem a menor preocupação em educar os brancos (e eu me incluo nessa audiência) sobre o racismo, o que é e como não fazê-lo, nem convencer o público branco de que o racismo existe, mesmo que ainda haja um número absurdo de pessoas que insistam em negá-lo. Ao contrário, Cara Gente Branca mostra e analisa as consequências do preconceito.

E se no início a série chega com os dois pés na porta, aos poucos vai afinando seu discurso e encontra seu ápice no belíssimo episódio cinco, dirigido por Berry Jenkins (de Moonlight, Oscar de melhor filme deste ano). Mostrando as questões mais delicadas e vulneráveis dos negros, o diretor equilibra perfeitamente drama e comédia e coloca em pauta a complexidade do tema. Destacando momentos traumáticos para os negros e mostrando aos brancos como há perversidade mesmo na melhor das intenções, o diretor consegue causar um impacto necessário no público e faz de Cara Gente Branca um protesto necessário e uma produção obrigatória.

Com elementos interessantes para uma série de TV (a quebra da quarta parede, quando o personagem fala com a câmera, é sempre impactante), Cara Gente Branca não está nem aí se brancos se sentiram ofendidos (e, pasmem, muita gente se ofendeu). O grande acerto da série é conseguir mostrar várias realidades dentro da comunidade negra, evidenciando a singularidade daquelas pessoas, criando uma série original para negros individuais, sem representá-los como caricaturas ou símbolos. Cara Gente Branca, enfim, grita representatividade.

P.S.: Há diversas pessoas percebendo um certo silêncio por parte da crítica e da audiência. Não chega a ser algo surpreendente. Afinal, quem tem coragem de reconhecer que é racista?

Assista ao trailer de ‘Cara Gente Branca’

link para a página do facebook do portal de jornalismo cultural a escotilha

Tags
Mostre mais

Rodrigo Lorenzi

Rodrigo de Lorenzi é jornalista, formado pela PUCPR. Foi colunista de cinema na Gazeta do Povo e ganhador do prêmio Sangue Novo no Jornalismo Paranaense. Escreve sobre séries e TV em geral. Ainda não superou o fim de Breaking Bad.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Close