Vale um Like

O Rouge está de volta!

Quinze anos após o lançamento do grupo no reality show 'Popstars', Li Martins, Lu Andrade, Fantine Tho, Karin Hils e Aline Wirley participam de shows comemorativos no Rio de Janeiro. Seguindo a onda nostálgica, o Br’Oz, revelado no mesmo programa, também voltou à ativa.

A coluna “Vale um Like” desta semana vem no ritmo “Ragatanga” e pega carona na febre nostálgica pop provocada pelo retorno de um dos maiores fenômenos do gênero já revelados no Brasil: o grupo Rouge.  No dia 13 de outubro, na casa de shows Vivo Rio, na capital fluminense, Li Martins, Lu Andrade, Fantine Tho, Karin Hils e Aline Wirley se reencontram com os fãs para celebrar os quinze anos do início da trajetória de sucesso do quinteto, que conquistou crianças e adolescentes brasileiros no início dos anos 2000.

É fato que nenhum reality show musical produzido no Brasil foi tão bem-sucedido como o Popstars, de 2002. O programa, uma parceria do SBT com a produtora RGB e o Disney Channel, promoveu uma ação de crossmedia bastante audaciosa para a época e tinha a proposta de formar um grupo pop. O projeto teve até publicações da Editora Abril e um site especial para a atração, artifício pouquíssimo utilizado nesse período.

Sem o respaldo da Globo, que simplesmente ignorou a existência do grupo, o Rouge atingiu a marca dos dois milhões de discos vendidos com seu álbum de estreia. Emplacou inúmeros hits, produtos licenciados e fez shows por todo país. Em outras palavras, o reality show cumpriu sua proposta de formar e lançar com êxito um girl group brasileiro.

Talentosas e carismáticas, Li, Lu, Fantine, Karin e Aline chamavam  a atenção do público pelas coreografias e unidade vocal, atributos que inspiraram grandes sucessos da atualidade, como a cantora Anitta. Sob a batuta do produtor Rick Bonadio, responsável pelo fenômeno Mamonas Assassinas, o Rouge tornou-se o  grupo feminino do país de maior êxito, com cerca de 6 milhões de discos vendidos. Além do Brasil, as garotas passaram por outros países da América Latina, África e Europa.

Com a saída de Luciana (Lu) em 2004, o Rouge perdeu um pouco da sua força e como quarteto as meninas permaneceram na ativa até o ano seguinte. Nessa curta e intensa carreira, tive a oportunidade de fazer algumas matérias com o grupo.

Um dos encontros com o Rouge foi ainda em 2002, quando o quinteto veio a Curitiba para divulgar o primeiro CD de carreira. À época, Lu falou sobre a repercussão do trabalho com a garotada. ‘Não sabíamos que as crianças e os adolescentes iam gostar tanto do nosso trabalho. Esses públicos são bastante carentes de opções’, comentou.

Um dos encontros com o Rouge foi ainda em 2002, quando o quinteto veio a Curitiba para divulgar o primeiro CD de carreira. À época, Lu falou sobre a repercussão do trabalho com a garotada. “Não sabíamos que as crianças e os adolescentes iam gostar tanto do nosso trabalho. Esses públicos são bastante carentes de opções”, comentou.

Um segundo encontro ocorreu em 2003. Nesse ano, o grupo retornou à capital paranaense para um show na Arena da Baixada em prol do Hospital Erasto Gaertner. Além de acompanhar as meninas na visita à instituição, rolou uma espécie de diário de bordo por Curitiba – com direito a um encontro com Gretchen querendo tietar o grupo no hotel em que foi realizada a coletiva de imprensa. Vale lembrar que a musa do “Conga, Conga, Conga” e dos memes morava na cidade nessa época e levou uma de suas filhas, fã do Rouge, para conhecê-las.

Em outras entrevistas, normalmente por telefone, Li (Patrícia) era a porta-voz do grupo por ser paranaense. A artista, que nasceu em Sertanópolis e foi criada em Rolândia, também fez carreira nos musicais, como Miss Saigon e A Bela e a Fera. Fora isso, participou do reality show A Fazenda, da Record TV. Em uma das entrevistas que fiz com a artista, ela falou sobre a alegria de estar no estado. “Deixei muitos amigos lá (Rolândia), minha vó, meu primo e uma tia. Estou superfeliz de estar aqui no Paraná e sinto muitas saudades da minha cidade”, disse.

Em princípio, o retorno das meninas é comemorativo e a apresentação recebeu o nome de Chá Rouge. Se terão outros shows (no Rio haverá uma sessão extra no dia 14), ainda não há confirmação oficial por parte das cantoras. Curiosidade: Karin Hils, que também faz carreira nos espetáculos musicais, é um dos destaques do elenco da novela Carinha de Anjo, do SBT, como a Irmã Fabiana. 

Na mesma vibe do Rouge, quem está de volta é o Br’Oz, a boyband originada também no programa Popstars. O grupo, formado por Filipe Duarte, Matheus Herriez, André Marinho, o paranaense Jhean Marcell (natural de Paranaguá) e Oscar Tintel, lançou recentemente o EP Br’ozhood. Ao que tudo indica, essa onda nostálgica ainda vai render muitos frutos…

Na onda nostálgica, o grupo Br’Oz está de volta 11 anos depois do término do grupo.

Confira o clipe de ‘Não Dá Pra Resistir’, hit do primeiro disco de carreira do Rouge

Confira o clipe de ‘Brilha La Luna’, canção do segundo disco de carreira do Rouge: “C’est La Vie” 

Confira o clipe de ‘Um Anjo Veio Me Falar’, sucesso do segundo disco de carreira do Rouge: “C’est La Vie” 

link para a página do facebook do portal de jornalismo cultural a escotilha

Tags
Mostre mais

Cristiano Freitas

Cristiano Luiz Freitas é jornalista, roteirista e produtor cultural com quase 20 anos de experiência em projetos voltados aos públicos infantojuvenil e jovem. Com passagens pela Gazeta do Povo e Grupo RIC, atualmente desenvolve ações em comunicação para o Complexo Pequeno Príncipe. Em seu currículo, constam importantes premiações como o Grande Prêmio Ayrton Senna de Jornalismo.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Close