Helena Perdiz

Glitter

Estava se arrumando para o Carnaval. Entrou correndo no quarto.

– Juarez do céu, eu derrubei todo o pote de glitter em cima do cachorro!

– Aquele balde de glitter gigantesco que você comprou e eu falei que era exagero?

– Sim, ele todo. Bati o braço, caiu, o Rocambole tá inteiro dourado, grudou de um jeito que fiquei boba.

– Falei pra não comprar.

– Me ajuda, Juarez! Agora já tá comprado.

Correu buscar o cachorro. Voltou com ele no colo.

– Olha! Olha o Rocambole, Juarez! Nosso dog tá parecendo a Globeleza. O que eu faço?

– Leva ele junto no bloquinho.

– Juarez!

– Dá um banho nele, ué.

– Tá louco? Você ficou maluco? Você tá fora de si? Água faz o glitter grudar ainda mais.

– Deixa ele dourado, a gente muda o nome dele pra C-3PO.

– Juarez, para! Eu tô desesperada, agora não é hora de brincar.

Colocou o cachorro no chão.

– Eu vou chorar. Não acredito que fiz isso com o Rocambole.

– Como você ia tirar o glitter de você mesma? Faz igual.

– Demaquilante. Não posso passar demaquilante no cachorro, pode dar alergia.

– Espera acabar o feriado e a gente vai no pet shop.

– Eu não vou deixar o coitado assim o feriado todo!

– Qual o problema? Ele tá divando.

– Não dá pra falar sério com você.

Saiu do quarto. Voltou de novo.

– Eu vou passar aspirador nele. Me ajuda?

– O aspirador quebrou.

– Não quebrou, não.

– Quebrou.

– Quebrou quando?

– Hoje de manhã, fui passar e derrubei, quebrou no meio.

– NO MEIO?

Correu para ver o aspirador. Voltou.

– Eu não vou deixar o coitado assim o feriado todo!
– Qual o problema? Ele tá divando.
– Não dá pra falar sério com você.

– Como alguém quebra um aspirador de pó no meio?

– Não sei, caiu.

– E você não ia me falar nada?

– Não precisava.

– Como não precisava?

– Você ia ver!

– Meu Deus!

O cachorro entrou no quarto. Deitou.

– Parece um pedaço do Sol deitado no chão.

– E ao invés de ajudar esse pequeno raio de Sol você tá querendo brigar por causa do aspirador.

– Uma coisa não tem nada a ver com a outra, a gente vai falar sobre o aspirador, sim! Mas depois. Me ajuda a pensar.

– Tenta passar álcool.

– Álcool não resolve.

– Óleo de cozinha.

– Não temos.

– Como não temos?

– A gente nunca cozinhou na vida, Juarez, é marmitex todo dia. Por que a gente teria óleo de cozinha?

– Verdade.

– E se a gente tentasse limpar com a vassoura?

– Mas e se machucar?

– A gente pega aquela mais macia, sabe? Dá umas batidinhas nele ali na sacada. Daí sai o excesso e quinta a gente leva no pet shop.

– Melhor que nada.

– Vem me ajudar.

Foram até a sacada. Enquanto ele segurava o Rocambole, ela batia nos pelos com a vassoura.

– E esse rabão abanando? Tá adorando, né, seu maluco? Então aguenta mais um pouco.

O glitter começou a sair. Depois de alguns minutos, o interfone tocou. Juarez foi atender e demorou pra voltar.

– Que cara é essa, Juarez?

– A gente vai ser processado. Ou pior.

– Oi?

– Os vizinhos da frente estão indo na delegacia.

– Por quê? O que aconteceu?

– Eles têm um vídeo da gente agredindo um cachorro com uma vassoura.

Tags

Helena Perdiz

Helena Perdiz tem 28 anos e é publicitária, formada pela PUC-Campinas. Maníaca por séries, apaixonada por livros e viciada em Xbox. Escreve crônicas desde a época em que valiam nota na escola.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Close