Yuri Al'Hanati

Estou parando de escrever

Não faz muito tempo eu escrevia três matérias jornalísticas por dia, desenhava sete tirinhas de jornal por semana e fazia uma resenha de algum livro para o domingo. Ler, escrever, desenhar, analisar, essa era a minha rotina. Não faz muito tempo, como falei. Desse pouco tempo para cá, cessei as atividades como repórter e hoje colaboro esporadicamente para algum veículo de comunicação, um ou dois textos no mês, quem sabe, quando muito; não desenho mais tiras de jornal, embora convites para desenhá-las de graça não me faltem; escrevo para este espaço, com textos publicados às segundas; e faço resenhas em vídeos para o YouTube, onde, descobri tardiamente, estão os verdadeiros interessados nesse tipo de mídia cultural alternativa. Minha profissão principal hoje envolve apertar botões num sistema de computador da década de 1980. Tela preta, fonte verde, aquela coisa linda.

O que estou querendo dizer com isso é que, subitamente, a escrita deixou de exercer seu papel protagonista na minha vida. Eu, que escrevia tanto que cheguei inclusive a produzir alguma literatura — amplamente festejada no circuito amador e solenemente rechaçada entre os profissionais — não preciso mais escrever para ganhar dinheiro ou mesmo para obter qualquer tipo de satisfação pessoal. Os jornais reduziram de tamanho, a mídia impressa está restrita aos livros e, vá lá, algumas revistas que possuem, por sua vez, cada vez menos palavras e cada vez mais fotos e figuras. O audiovisual está com tudo, e o texto escrito é lido de cabeça por quem aparece na frente da câmera, nunca nos deixando ver se ao menos a ortografia está certinha.

Os jornais reduziram de tamanho, a mídia impressa está restrita aos livros e, vá lá, algumas revistas que possuem, por sua vez, cada vez menos palavras e cada vez mais fotos e figuras. O audiovisual está com tudo, e o texto escrito é lido de cabeça por quem aparece na frente da câmera, nunca nos deixando ver se ao menos a ortografia está certinha.

Claro que com isso estou escrevendo cada vez pior. Escrevo hoje como caminha um senhor aposentado com uma barriga extraordinária, adubada com latão de Skol no fim da tarde e uns quinze ou vinte cigarrinhos ao longo do dia. Veja como ele caminha compenetrado, marcando mentalmente o ritmo dos passos, com uma roupa adequada para a prática de exercícios físicos. Boné, camisa branca, um tênis que esbanja em suas cores toda a jovialidade que ele não possui mais, meião na canela, uma bermuda leve. Quem sabe está suando na virilha, quem sabe seu coração ensebado está trabalhando como uma britadeira no centro da cidade. O que quer que este senhor esteja fazendo, está fazendo por ordens médicas, para não ter uma morte dolorosa e horrível, e ele está fazendo o que pode, muito embora qualquer espectador da cena possa sentenciar com tranquilidade: isso aí mal conta. Não é o suficiente.

E há quem esteja, neste exato momento, pensando em escrever um livro, por ter a firme convicção de que pelo menos a literatura não será abandonada quanto a escrita periódica tão cedo. Desconsidera os grupelhos, o volume absurdo de originais descartados aos quilos pelas casas editoriais sem que sequer tenha sido lido, ignora a numerologia psicodélica que rege as leis do mercado de livros, faz vista grossa para a profusão de chorume empurrado pelas estratégias de marketing nas megastores, acreditando piamente que os happy few serão mais que o suficiente para que seu pequeno livro seja celebrado e, com alguma sorte, imortalizado. E aí, num arroubo otimista da minha parte, talvez chegue até essa crônica e constate que deveria ser proibido escrever de mau humor, ou jogar água real no chope onírico alheio. Ou, quem sabe, encare isso como um daqueles pessimismos criados unicamente para fazer a jornada do herói mais bonita, o solipsismo arrogante que só quem acredita botar uma palavra na frente da outra até virar arte é capaz de ter.

Mas quem disse que alguém vai ler isso?

Tags
Mostre mais

Yuri Al'Hanati

Yuri Al'Hanati nasceu em Praia Brava, distrito de Angra dos Reis (RJ), em 1986, e reside em Curitiba desde 2004. Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Paraná. Além de jornalista, atua como cartunista na Gazeta do Povo e publica textos e vídeos no site literário Livrada!, que mantém de forma independente desde 2010.

Artigos Relacionados

2 thoughts on “Estou parando de escrever”

  1. Eu digo que só visito A Escotilha por sua causa. E que também gostava das tirinhas e do Caderno G da Gazeta quando você escrevia. Eu assinei A Gazeta do Povo mesmo morando em outro estado por sua causa. Quando parei de encontrar suas matérias no Caderno G e fui perdendo seu nome no meio do jornal, suspendi a assinatura.
    Talvez você não se dê conta do quanto seu talento é grande e do quanto seu desânimo me desanima. Talvez seja o dia de segunda feira a não ajudar. Talvez se você tentar produzir um texto na sexta feira ele venha com jeito de vinho, de festa, de ares para se respirar. Experimente e me anime depois.
    Obrigada. Sua fã. Maria Lúcia Arruda Corrêa Santos

  2. Talvez tentando te motivar a não desistir, com esse relato senti a necessidade de dizer que sou teu fã.

    Entro dia sim, dia não no A Escotilha para procurar um novo texto teu. Entrava toda a manhã no site da Gazeta apenas por causa das tuas tiras. Além de me divertir muito com teus textos no facebook.

    Não é raro eu comentar com amigos meus sobre a saga da cratera da praça Tiradentes, ou de entrar na tua página para utilizar teus textos como exemplo para dizer como eu queria melhorar minha escrita (mesmo neste breve comentário, sinto certa dificuldade de me expressar).

    Não sei como seria possível não se abalar com essa realidade, mas se ajuda saber que existem pessoas que realmente se entretêm com tua arte, estamos aqui.

Deixe uma resposta

Close
%d blogueiros gostam disto: