Yuri Al'Hanati

O Bósforo

O Bósforo é mar com sonhos de rio. Tem em sua menor largura apenas meio quilômetro e, mesmo onde suas margens opostas mais se distanciam, não faz frente a um Amazonas. Corta a cidade de Istambul, passando como passaria um escorredouro de águas, de uma nascente longínqua a uma foz reconciliadora com a fonte de todas as fontes, mas não: o Bósforo é a imensidão unida à imensidão, a cúria indomável com desejos de ser contida, de espiar a vida em cabresto. O Bósforo é a liberdade capturada em moldura.

É um tanto difícil aceitar tudo o que a geografia bizantina desafia à comprovação ocular dos fatos – das montanhas arenosas esculpidas da Capadócia às piscinas calcárias de Pamukkale – mas o Bósforo permanece como um monolito misterioso e tão cheio de poder que é capaz de separar não apenas mares, mas culturas e continentes inteiros, tão heterogêneos e longínquos quanto a imaginação é capaz de compreender. Nem Magalhães, Querche, Gilbraltar e Bering, nem mesmo o canal da Mancha ou o impressionante Dardanelos – junto com o Bósforo, o outro escape do mar de Mármara, com saída para o Egeu – é capaz de invocar tamanho poder simbólico.

De um lado de suas margens, toda a cultura ocidental, a cristianização perene, os valores exacerbadamente humanistas, a democracia que atropela a si própria e o ceticismo devoto, signos sob os quais nos explodimos em guerras de cifras. Do outro, o oriente, a suspensão de toda a descrença, a reconexão com as forças da natureza, os dogmas que trotam por cima de vidas humanas e o berço civilizatório em todo seu esplendor conservado.

Separados por um mar que corta uma cidade, ela mesma o centro do mundo, palco de guerras e mais guerras travadas em nome de seu domínio. A rota marítima capaz de provocar uma sucessão sem fim de estadistas visionários, truculentos, zelosos e sonhadores, jamais titubeantes quanto à importância desse estreito. O Bósforo é mar dominado pelas margens. Dominar as margens do Bósforo é dominar tudo o que há para ser dominado.

O Bósforo é mar com sonhos de rio. Tem em sua menor largura apenas meio quilômetro e, mesmo onde suas margens opostas mais se distanciam, não faz frente a um Amazonas.

E ainda assim, lá está ele, às vistas dos Istambullus, que há muito já o tem como fato consumado e irremovível. Seja um europeu de Sultanahmed ou um asiático de Üsküdar, um ocidental torcedor do Galatasaray ou um oriental fã do Fenerbahçe, todos olham o Bósforo apenas como um demarcador geográfico para a cidade em si e um empecilho a ser evitado na locomoção urbana. “A ponte engarrafou” ou “perdi a balsa de novo” escondem em seu manto de banalidade a natureza fascinante que delimita a extensão dos povos. Vizinhos de margens, se acenam, se espiam, se amam e cumprimentam, atravessam um mar para visitar amigos e parentes, passam por cima, ao largo e até por baixo, em vias subterrâneas de metrô. O mar, que sempre foi motivo para medos infinitos, canções, poemas, guerras e morte, em Istambul é apenas um rio caudaloso que não sabe ser outra coisa a não ser cidade.

Tags

Yuri Al'Hanati

Yuri Al'Hanati nasceu em Praia Brava, distrito de Angra dos Reis (RJ), em 1986, e reside em Curitiba desde 2004. Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Paraná. Além de jornalista, atua como cartunista na Gazeta do Povo e publica textos e vídeos no site literário Livrada!, que mantém de forma independente desde 2010.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Close