Ponto e Vírgula

‘Os Fantasmas’ possui a essência da literatura de César Aira

Quase 30 anos depois de seu lançamento, ‘Os Fantasmas’ é finalmente traduzido para o português, dando mais uma oportunidade para entrarmos em contanto com a ficção inventiva de César Aira.

Ainda que em número pequeno para um autor de mais de 60 títulos publicados, cada vez mais temos tido a oportunidade de entrar em contato com a obra e o estilo únicos do argentino César Aira. Depois da Rocco publicar Como Me Tornei Freira, na Coleção Otra Língua, agora foi a vez do público brasileiro ter acesso a Os Fantasmas, obra inquietante escrita há quase 30 anos e que permaneceu por todo esse período inédita no Brasil.

O escritor argentino é de uma pena única. Ele não passa incólume à crítica e aos leitores, seja como gênio ou louco, dispensável ou fundamental. Sua produtividade, seu distanciamento irônico, as referências artísticas que transcendem a literatura, a irracionalidade com que compõe uma prosa tão profunda e complexa quanto o próprio seu próprio país, mesmo a falsa simplicidade de seus textos, muitos deles breves contos que mal superam as 40 páginas, uma espécie de balanço ao excesso criativo e imaginativo de Aira, são suas marcas registradas.

Em seus romances, Aira transita pela fronteira entre a narrativa e o discurso, entre o complexo narrativo-descritivo e o sentencioso, algo que muitos dos escritores modernos e pós-modernos evitaram. Em Os Fantasmas, essa relação é um pouco mais complexa.

Em seus romances, Aira transita pela fronteira entre a narrativa e o discurso, entre o complexo narrativo-descritivo e o sentencioso, algo que muitos dos escritores modernos e pós-modernos evitaram. Em Os Fantasmas, essa relação é um pouco mais complexa.

Os Fantasmas se situa em um ambiente relativamente fechado, ainda que densamente povoado, e se passa em uma data específica: 31 de dezembro, último dia do ano, quente e abafado como sempre na capital argentina. Espécie de fábula urbana de cunho social, a obra é ambientada na Buenos Aires da década de 1980. Aira centraliza o prédio em que a trama ocorre no bairro de Flores e, a partir da inocência e ingenuidade da jovem Patri, nos guia com sutileza pelos habitantes deste prédio ainda inacabado, onde coincidem três grupos de personagens: os futuros proprietários dos apartamentos, que visitam suas propriedades para planejar reformas, mobiliário, decorações; os trabalhadores que estão construindo o prédio, juntamente com o zelador que já foi precariamente alojado em um dos andares; e um terceiro grupo, o dos fantasmas, que são seres incorpóreos e sem peso sobre os quais pouca informação nos é passada.

O escritor argentino usa o livro para refletir sobre literatura, economia, arquitetura, vida e morte sob diferentes vieses. A escolha de personagens chilenos não se dá à toa. Durante anos, argentinos e chilenos travaram inúmeras batalhas territoriais, que culminaram em rancor e uma rivalidade muito forte entre as duas nações. Em alguma medida, César Aira usa Os Fantasmas como uma espécie de confronto com o próprio país, evidenciado pelo apreço que o grupo de chilenos recebe do escritor, ao passo em que não perde a oportunidade de soar ácido com seus conterrâneos.

César Aira inicia a obra com uma visão multifocal da vida que se passa neste prédio, passando de um grupo de personagens a outro de forma a dimensionar aquele espaço a partir das idiossincrasias de seus habitantes. Mas, em dado momento, ele se concentra no pequeno grupo de chilenos, e opta por ficar como observador de suas relações, tanto entre si como com o restante do mundo, suas características enquanto imigrantes e, claro, o desenvolvimento da personalidade de Patri, uma adolescente que vive o dilema de tentar compreender o quanto está disposta a oferecer pela oportunidade de viver uma grande emoção, uma situação única em sua ainda jovem vida.

Escrito em um ritmo lento, o que exige certa paciência do leitor, Os Fantasmas caminha até um final arrebatador, diria até sufocante. Um grande flerte entre o surrealismo e o realismo com um pé no fantástico desse prolífico escritor argentino. Imperdível, para não dizer “leitura obrigatória”.

OS FANTASMAS | César Aira

Editora: Rocco;
Tradução: Joca Wolff;
Quanto: R$ 28,75 (160 págs.);
Lançamento: Junho, 2017.

Compre o livro

link para a página do facebook do portal de jornalismo cultural a escotilha

Tags

Alejandro Mercado

Alejandro Mercado é jornalista e publicitário, com pós-graduações em Comunicação e Sociedade e Multimeios. Foi coordenador adjunto da Coordenadoria Setorial de Comunicação da Secretaria de Cultura de Campinas entre 2005 e 2007, período no qual coproduziu o Unifest Rock, maior festival universitário de música da América Latina. Foi um dos idealizadores e coprodutor do Mopemuca, projeto voltado ao fomento da produção musical autoral no interior de São Paulo.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Close