Ponto e Vírgula

O nascimento de um romancista

Primeiros romances de Haruki Murakami saem em volume duplo e apresentam a formação de maneira crua do escritor japonês.

Para ler essa resenha, recomendamos que você ouça a playlist abaixo.

Haruki Murakami é considerado o mais ocidentalizado dos escritores japoneses do século XX. E há quem torça o nariz para ele. A observação não é um equívoco: Murakami é um às em preencher sua narrativa com discos de jazz, referências a autores norte-americanos e aos bares tipicamente britânicos, os pubs. Em uma comparação para lá de rasa, coloque lado a lado o bar de Kino, do conto homônimo, e o retrato traçado por Kazuo Ishiguro em O Artista do Mundo Flutuante. As diferenças são gritantes, entretanto, isso em nada tira a sua genialidade.

Ouça a Canção do Vento/Pinball, 1973 (Alfaguara, 264 páginas), os primeiros romances do escritor e que acabam de ser lançados em um único volume, já deixavam claro essa inclinação ao não-oriental. Comparados aos formidáveis Kafka à Beira-mar e O Incolor Tsukuru Tazaki e Seus Anos de Peregrinação, os livros são um retrato pálido de um romancista ainda em formação, é verdade. Mas há brilho. É possível perceber os elementos que se tornariam figuras-chave dali para frente em sua narrativa: personagens perdidos e sem identidade, gatos, obsessões literárias e musicais, cervejas e, claro, mulheres misteriosas que aparecem de repente e simplesmente se vão.

Vento/Pinball mostra um Haruki Murakami tão perdido quanto seus personagens. É como os alter egos de Woody Allen: todos são o diretor.

Em Ouça a Canção do Vento, livro que surgiu em um insight durante uma partida de baseball, Murakami narra a vida de um homem anônimo que tenta encontrar sentido na sua vida e refaz seu passado em um bar, enquanto toma cerveja com J, dono do lugar, e Rato – que aparecerá em Pinball, Caçando Carneiros e Dance Dance Dance – amigo e outsider, assim como narrador. Pinball, 1973 é uma espécie de continuação do primeiro, mas nem tudo parece coincidir, apesar de o protagonista também ter o mesmo círculo de amigos.

Se em Vento (como chamam nos EUA) a mulher misteriosa é uma garota sem o dedo mindinho, em Pinball são duas gêmeas que, literalmente, brotam e passam fazer parte do cotidiano daquele homem – que se divide entre o seu trabalho como tradutor e sua paixão pelas máquinas de pinball, em especial a Spaceship, da Gilbert & Sand. Aquele jogo é um rosebud, algo que liga o narrador aos seus dias mais felizes.

Allen japonês

Como em Vá, Coloque um Vigia, que põe o leitor em contato com o rascunho de O Sol é Para Todos, de Harper Lee, Vento/Pinball mostra um Haruki Murakami tão perdido quanto seus personagens. É como os alter egos de Woody Allen: todos são o diretor. Com o Murakami o processo é semelhante e o resultado é também magistral: acabamos nós, leitores, mergulhando naquele mundo tão particular.

E é impossível não se deixar levar.

OUÇA A CANÇÃO DO VENTO/PINBALL, 1973 | Haruki Murakami

Editora: Companhia das Letras;
Quanto: R$ 41,20 (264 páginas);
Lançamento: Novembro, 2016.

fb-post-cta

Tags
Mostre mais

Jonatan Silva

Jonatan Silva é formado em jornalismo pelas Faculdades ESEEI (2010) e especialista em marketing digital pela FAE (2013). É crítico literário e fez parte dos jornais Paraná Online e Tribuna do Paraná. Colabora de tempo em tempo com o periódico literário RelevO e com a revista Flaubert. É autor do livro "O Estado das coisas". Apaixonado por literatura, tem no cinema uma fonte de inspiração e carrega a música como companheira.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Close