Caixa Acústica

Novo disco de Willow é o trabalho que há tempos esperávamos dela

Segundo disco de Willow, ‘The 1st’ aposta no folk e no rock de forma bastante madura.

The 1st

Segundo disco de Willow, ‘The 1st’ aposta no folk e no rock de forma bastante madura.

Willow acaba de completar 17 anos, mas mesmo assim já a acompanhamos há bastante tempo. A filha dos astros Will Smith e Jada Pinkett Smith ainda é conhecida por muitos pelo seu hit pop “Whip My Hair”, que ela lançou aos 10 anos. Porém, nesses sete anos ela já mostrou diferentes facetas e nos surpreende mais uma vez com seu segundo e ótimo disco, The 1st.

Depois de seu sucesso bate-cabelo, Willow lançou coisas bem distintas: a intensa “Fireball”, ao lado de Nicki Minaj; a balada triste “I Am Me”; o ótimo EP 3, que tem um musicão ao lado da SZA; o ótimo single “F Q-C #7”; e seu disco de estréia, o mediano ARDIPITHECUS, que tem bons singles, como “Why Don’t You Cry”.

A carreira de Willow já passeou por diferentes gêneros, do pop ao hip-hop, do electro ao folk, e nada mais natural se lembrarmos o fato de que a artista ainda é uma adolescente. Uma adolescente que anda no meio de músicos fantásticos, mas ainda uma adolescente como as outras, por isso é latente em seu trabalho como as descobertas e as influências vão moldando as suas novas decisões.

Ela já apresentou covers de Björk e King Krule, ao mesmo tempo em que vira e mexe canta versões quase folk de hits da Rihanna. Esse ano ela fez covers de Joanna Newsom, por exemplo, mostrando claramente que ela está naquela fase em que começamos a conhecer os artistas e ficamos imersos naqueles universos. O mais interessante é como ela consegue emergir disso tudo e apresentar canções realmente maduras e bem construídas com uma assinatura muito própria. Se seu primeiro disco ainda era frágil e não fazia jus a seu potencial, The 1st é a prova de que Willow cresceu e que todo o hype que há séculos colocávamos sobre ela fazia sentido.

Willow
Willow. Foto: Reprodução.

Se seu primeiro disco ainda era frágil e não fazia jus a seu potencial, The 1st é a prova de que Willow cresceu e que todo o hype que há séculos colocávamos sobre ela fazia sentido.

Logo ao darmos o play ouvimos violinos e a voz firme de Willow a cantar “hey mom, I met a boy, he plays guitar, he likes Quentin Tarantino and really sad songs”. Essa intimidade quase confessional das canções é que marcará o disco dali pra frente, é como se Willow nos convidasse para entrar em sua vida, trocar histórias, compartilhar sentimentos de, como diz o título de uma canção, “an awkward life of an awkward girl”.

Nesse sentido, o disco é recheado de canções realmente fortes e pungentes, como a apaixonada “Human Leech”, com guitarra marcada que remete ao trabalho da Torres. “Warm Honey” é uma linda canção de amor e “And Contentment” é um petardo que termina com os versos “I’m burning, burning on my own feelings / And using the flames to make a new me / To be”. É interessante como o alto nível do álbum segue em sua segunda metade, como na ótima “Lonely Road”, ao lado do duo Chloe X Halle ou na triste (e um tanto existencialista) “A Reason”. O disco fecha com a fortíssima “Romance”, com uma longa letra que fala sobre uma “história diferente”, com igualdade de gênero e liberdade sexual, num mundo mais justo e menos violento.

No todo, The 1st mostra Willow segura enquanto compositora, mas também firme no uso de seu vocal, que caminha por diferentes nuances, mostrando a sua formação mais R&B, porém flertando aqui com diferentes gêneros de forma eficaz, desde o folk até o alt-rock. Além disso, há algo em The 1st que ecoa os discos de Tori Amos, Cat Power e PJ Harvey, lá nos anos 90, acho que por essa confessionalidade e a crueza com que ela expõe seus medos e suas dúvidas.

Na faixa de abertura, “Boy”, ela diz “he thinks I’m boring ‘cause I come from a cluster of super bright stars”, frase que representa o sentimento do tal garoto da canção, mas que se encaixa perfeitamente no preconceito que sempre rodeia os pequenos Smiths. Willow e Jaden, seu irmão, nunca são devidamente levados a sério. Seus trabalhos geralmente são tratados como brincadeiras de crianças ricas, porém os dois têm produzido canções melhores que muitos adultos do universo pop e isso tem muito a ver com o fato deles serem crianças ricas. Willow poderia ter sido moldada por alguma gravadora e teria lançado outros arremedos de “Whip my hair”, mas sendo rica e adolescente ela pode fazer o que bem entender e tem transformado isso em ótimas canções.

Ouçam The 1st com atenção e com o coração aberto, pois é um lindo disco, que fala muito sobre essas dores e dúvidas da adolescência, aquelas que parecem ser apenas coisas dos hormônios, mas que nos perseguem por toda vida adulta.

Ouça ‘The 1st’ na íntegra no Spotify

link para a página do facebook do portal de jornalismo cultural a escotilha

Tags
Mostre mais

Renan Guerra

Renan Guerra é jornalista formado pela Universidade Federal do Pampa – UNIPAMPA, e colabora com o site Scream & Yell. É do tipo que pensava ser muito alternativo ao negar o pop, até ser convertido à palavra santa do TLC.

Artigos Relacionados

1 thought on “Novo disco de Willow é o trabalho que há tempos esperávamos dela”

  1. Esse álbum pisa TANTO em quase tudo que tem sido lançado no mainstream atualmente! Que vocais! Que letras! Que melodias! Estou impressionado!

Deixe uma resposta

Close
%d blogueiros gostam disto: