Caixa Acústica

A eterna rivalidade dos irmãos Gallagher

Há mais de 20 anos, Liam e Noel Gallagher competem entre si pelo protagonismo musical da família.

É provável que a rivalidade entre Liam e Noel Gallagher tenha começado ainda quando na barriga da mãe, apesar de não serem gêmeos. Desde que decidiram mergulhar juntos na carreira musical e formaram o Oasis, a rivalidade parece apenas ter se adensado e aprofundado. Os anos de estrelato, o uso de drogas e comportamento destrutivo de ambos não foi, no entanto, suficiente para eclipsar o fato de que ambos possuem talentos distintos e que já fixaram raízes na cena musical contemporânea de maneira irreversível.

Durante a segunda metade dos anos 90, quando o Oasis reinou solitário e ocupou o trono do britpop, já abundavam histórias sobre como os irmãos se davam mal ou sobre as loucuras que protagonizavam durante as turnês da banda. O problema foi que as diferenças entre ambos foram se intensificando de tal maneira que, após o lançamento de Dig Out Your Soul, em 2009, após uma briga intensa nos bastidores de um show, Noel deixou o lugar e afirmou em entrevistas que “não poderia trabalhar nem mais um dia com Liam” e pediu desculpas aos fãs que já tinham comprado ingressos para os shows restantes da turnê. Pouco tempo depois, tanto Liam quanto Noel anunciaram que o Oasis chegara ao fim.

Era chegada a hora de ambos se aventurarem em suas carreiras solo. O primeiro foi Liam, apesar de ser conhecida a fama de Noel como compositor e mente pensante do Oasis. Junto com os integrantes remanescentes do Oasis, Liam formou o Beady Eye, que passou por terras brasileiras e chegou a fazer algumas apresentações que não impressionaram muito.

Durante a segunda metade dos anos 1990, quando o Oasis reinou solitário e ocupou o trono do britpop, já abundavam histórias sobre como os irmãos se davam mal ou sobre as loucuras que protagonizavam durante as turnês da banda.

Pouco tempo depois, Noel formou a Noel Gallagher’s High Flying Birds, banda com a qual continua em atividade. A banda lançou seu primeiro álbum de estúdio em 2011. Apesar de ser um trabalho obviamente consistente, que carrega a marca nítida de trabalhos prévios de Noel Gallagher, o disco tem uma verve levemente nostálgica, que remete inevitavelmente aos melhores anos do Oasis, mas isso não chega a ser nem defeito nem qualidade. Há, porém, pontos altos indiscutíveis, como a faixa de abertura, “Everybody’s on the run”, e a música de trabalho “If I had a gun…”. Músico talentoso e de personalidade, Noel parece ter usado o primeiro trabalho solo para mostrar não apenas que o som do Oasis era uma marca registrada sua, como sua capacidade como vocalista.

O álbum posterior da banda, lançado em 2015, vai numa linha um pouco diferente. Chasing Yesterday foi acusado pela crítica de ser um misto de referências, incluindo riffs que fizeram a fama do próprio músico. Se, talvez, seja um álbum impossível de se odiar, é provável que também não seja o melhor trabalho da carreira do músico, que tenta em diversas faixas emular a si próprio, como por exemplo na faixa de abertura “Riverman”, cuja semelhança com a música que fez o Oasis estourar é inevitável.

Já Liam, depois da dissolução do Beady Eye, resolveu também buscar novos horizontes. Lançado esse ano, o álbum As you were dividiu críticos, mas provou, por outro lado, que Liam, da mesma maneira que o irmão, é um músico consistente e interessante. “For what it’s worth”, uma das faixas de trabalho, é uma excelente balada, cheia da personalidade vocal tão característica de Liam, e talvez seja um melhores trabalhos lançado por um dos irmãos desde o fim da banda.

Como a competição entre ambos parece não ter fim, vale lembrar que, quando festejou seu aniversário esse ano, Noel convidou uma gama enorme de celebridades, passando por Bono Vox e Wagner Moura, e deixou seu irmão fora da lista de convidados. Noel lançou recentemente mais dois singles de sua banda, o que quer dizer que podemos esperar mais um álbum do High Flying Birds em breve. “Holy Mountain”, uma faixa animada e dançante, um pouco diferente do britpop e suas variantes preferidas pelo músico, e “Fort Knox”, música que quase passa por instrumental, não fosse um refrão sutil repetido aos quase 3 minutos. Tanto uma quanto outra fazem com que o questionamento sobre o novo álbum de Noel seja inevitável.

Passados mais de 20 anos do boom do Oasis, é interessante ver como a rivalidade juvenil dos irmãos Gallagher evoluiu para uma disputa musical na qual quem ganha são os fãs. Pouco importa se você é mais fã de um ou de outro, ambos já manifestaram publicamente que tão cedo não vão se retirar da cena musical e, pela qualidade do que têm feito, resta a nós apenas agradecer. Ah, claro, e ainda podemos nos divertir com o eterno espírito hooligan desses torcedores do Manchester City.

link para a página do facebook do portal de jornalismo cultural a escotilha

Tags

Raphaella Lira

Raphaella Lira nasceu em Niterói (1984). Formada em Letras pela UFRJ, onde também cursou o mestrado e o doutorado em Literatura Comparada. Professora de português e literatura, viciada em música, leitora compulsiva e sommelier de filmes ruins, nunca teve disciplina para manter um blog, mas nunca deixou de escrever.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Close