A complexidade em ‘This Lonely Crowd’

A complexidade em ‘This Lonely Crowd’

Novo disco da This Lonely Crowd evidencia originalidade do quinteto curitibano e lança olhar complexo à vida através da música.

COMPARTILHE
this lonely crowd
This Lonely Crowd lança álbum homônimo. Arte: Julian Fisch/Reprodução.
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Entre Möbius and The Healing Process (2014), Meraki (2015) e This Lonely Crowd (Sinewave, 2017), três mais recentes discos da This Lonely Crowd, o mundo mudou. Por mais óbvia que a constatação possa parecer, o trabalho da banda sempre precisa ser compreendido dentro de recortes específicos. Há um universo gigante onde o grupo curitibano busca inspirações para seus discos, mas o “hoje” exerce um papel preponderante na roupagem das canções, nos arranjos, nos timbres e nos processos humanos a que somos submetidos com o passar dos dias. Somos fruto de tudo que se passa conosco entre 0h e 23h59. Por que, então, seria diferente com o quinteto?

Nesta colisão representada pelo novo disco, batizado homonimamente, poetisas como Florbela Espanca, Maya Angelou, Delmira Agustini, Jean Ingelow e Cora Coralina, além da romancista Mary Shelley, surgem como catalisadores de uma obra potente, que segue a essência conceitual do grupo, contudo, acrescentando mais peso (e poesia). Aqui fica clara a importância do “hoje” no processo criativo, resultando nessa sonoridade estética mais densa que os registros anteriores. Nada que venha da banda é por acaso, dos riffs aos nomes dos integrantes.

O álbum reforça a riqueza da discografia da This Lonely Crowd, na qual raramente encontramos deslizes ou excessos.

Essa pretensa falta de sutileza encontrada nas distorções de This Lonely Crowd seria diferente não fosse a sobriedade com que o grupo trata esta fúria. Ser conceitual desta maneira implica, também, em ser de nicho. Não que pareça importar algo à banda, pelo contrário. Por isso, as canções esculpidas pelo quinteto carregam em seu DNA uma dose de originalidade só possível a partir do momento em que você encontra distanciamento entre sua obra e seu público.

Talvez haja um preço a ser pago por esta decisão. Esta introspecção, uma espécie de circuito fechado em que eles cantam e interpretam para si, não necessariamente é assimilada com facilidade. Importante frisar que não se trata de um problema, apenas um caminho diferenciado em que a proposta é bem clara: não subestimar o ouvinte, acreditando que ele é suficientemente capaz de significar esse meteoro imagético e sonoro.

O álbum reforça a riqueza da discografia da This Lonely Crowd, na qual raramente encontramos deslizes ou excessos. Dá margem, ainda, a que o quinteto caminhe a passos largos em se tornar uma banda seminal para toda uma geração que enxerga a música sob um viés mais complexo, desvinculado do simples entretenimento, parte integrante da formação do ser humano, de seu caráter e olhar crítico para a sociedade em que está inserido.

Olhando em retrospecto, esta é a principal contribuição até o momento do grupo: oferecer uma ópera contemporânea sobre a beleza e a dor de ser e estar aqui, um conto de fadas meio acre e do qual não podemos escapar a não ser vivendo. Só resta agora é que eles assumam o palco mais costumeiramente, a não ser que virar lenda também esteja nos planos.

Ouça ‘This Lonely Crowd’ na íntegra no Spotify

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA