Em Cena

Teatro de Contêiner e Cia Mungunzá em defesa do ser humano

Uma análise sobre o Teatro de Contêiner, da Cia Mungunzá, e a reconstrução dos espaços degradados do país através da arte.

 

Muitas vezes temos a impressão, em épocas de violência, de que só a força vence a estupidez e a intolerância. Bobagem! É possível vencer o ódio através do afeto, e a prova viva disso está aí, cravada na nova Luz, através da Cia Mungunzá e do seu precioso Teatro de Contêiner.

Aos esquecidos, é preciso fazer uma pequena volta ao passado. Tratamos da famosa e belíssima Estação da Luz, cravada no coração de São Paulo, e de seus arredores onde a Cracolândia fez seu estado eterno de delírio e descaso pelos braços podres de governantes desgovernados. Foi ali que o atual prefeito João Dória coroou seu governo: demolindo casebres com pessoas dentro, declarando uma guerra às drogas em tom de batalha moral, travando uma caçada humana completamente desumana em nome da ordem e do bem-estar social de famílias que vivem do outro lado da vida; aquele lado que desconhece o que é a tristeza e a fome.

Ali, numa São Paulo ajoelhada diante da especulação imobiliária em detrimento do homem, também nasceu uma fagulha de humanidade: um teatro! O Teatro de Contêiner foi inaugurado pela Cia Mungunzá em março deste ano, com a apresentação de seu maior sucesso: Luis Antonio-Gabriela. A ótima peça trata da história de um travesti de meia idade, famoso oceano a fora, sob o reflexo da violência familiar e da ditadura militar. Com argumento do grande Nelson Baskerville e intervenção dramatúrgica de Verônica Gentilin, a belíssima peça é um incômodo na vida de uma cidade, e não seria exagero dizer um país, que torna-se cada vez mais intolerante e ignorante.

Em um ambiente completamente desprovido de beleza, ao menos diante do primeiro olhar, a Cia Mungunzá conseguiu cravar no coração do Brasil uma forma de encanto diante do caos. De lá para cá, o espaço se consolidou enquanto foco de resistência, e o esforço sobre-humano dessa trupe foi coroado com a indicação ao mais importante prêmio de teatro da país, no quesito inovação, ao lado da ótima Mundana Companhia: o Prêmio Shell.

Em um ambiente completamente desprovido de beleza, ao menos diante do primeiro olhar, a Cia Mungunzá conseguiu cravar no coração do Brasil uma forma de encanto diante do caos.

O prêmio destaca a companhia por conta do “uso arquitetônico inédito voltado para o teatro, inserido em região degradada do Centro de São Paulo”. Sim, a Mungunzá deu vida nova à Cracolândia, com a benção de Eros, num ambiente onde há tempos Tânatos dá as cartas. Com uma estrutura móvel, moderna pela possibilidade de despejo perene por parte da prefeitura, a companhia decidiu travar uma batalha em nome da beleza e da tolerância, uma batalha que parecia perdida e que hoje ressurge coroada pela própria elite da cidade que se envergonha do cartão postal trucidado. Uma luta em defesa da liberdade!

O panorama político do país assusta: um presidente bandido promove a desgraça em solo brasileiro. Sabemos que diante desse absurdo é difícil carregar o sorriso no rosto, no entanto, é possível encontrar no horizonte pequenas possibilidades de delírio. O espaço criado na base da unha pela Cia Mungunzá é desses solos férteis de possibilidades. Através da coragem e da persistência da trupe podemos acreditar na reconstrução sistemática do afeto, que sempre vence aqueles homens decrépitos que sempre dizem não.

O Teatro do Contêiner é também o teatro da esperança: a prova de que o amor pode, e deve, vencer a ganância e a estupidez do ser humano. Que o Prêmio Shell coroe, seja através da Mundana ou da Mungunzá, a possibilidade do brasileiro redescobrir aquilo que perdeu pelo caminho: um país onde seja possível ao menos sorrir diante do horror.

link para a página do facebook do portal de jornalismo cultural a escotilha

Tags
Mostre mais

Bruno Zambelli

Bruno Zambelli é diretor teatral e ator com formação em Artes Cênicas pelo Conservatório Carlos Gomes. Foi editor da revista de cultura Terceira Dentição e colunista do blog cultural Prato do Dia. Foi idealizador e produtor do Sarau LetraFurto em São Paulo. É escritor e idealizador da editora independente Encruzilhada Edições.

Artigos Relacionados

1 thought on “Teatro de Contêiner e Cia Mungunzá em defesa do ser humano”

  1. Eu sou do interior e quando vou ao espaço é como se eu estivesse no quintal da minha casa. Só que melhor, pois está sempre bem alegre com varias pessoas interessantes e sempre cercado de crianças e do gatinho. É um feriado interior.

Deixe uma resposta

Close
%d blogueiros gostam disto: